BahiaNotÍcias

‘Meu filho não era um nada’, diz mãe de grafiteiro morto a tiros enquanto trabalhava com amigo

Segundo familiares, vítimas foram abordadas por cinco homens armados. Ninguém foi preso.

“Meu filho não era qualquer pessoa, meu filho não era um delinquente, porque quando eu achei meu filho, parecia que alguém pegou e jogou. Mataram como se fosse um nada”, foi com essas palavras que Leonice Galdino de Souza, mãe do grafiteiro de 27 anos que foi morto a tiros enquanto trabalhava com um amigo, na Avenida Jorge Amado, em Salvador, lembra do filho.

Horas após encontrar o filho Jailson Galdino Souza dos Santos, conhecido como “Scank”, morto, Leonice Galdino de Souza tenta entender o que foi que aconteceu.

“Meu filho não era um nada. Acima disso tudo, era meu filho que morreu, só isso. Poderia ser artista plástico, poderia ter a fama que teve, mas era meu filho. Meu filho não era ladrão, meu filho não era traficante, meu filho era um cara trabalhador que simplesmente estava no local errado na hora errada e mataram meu filho”, desabafou.

O caso aconteceu na madrugada desta quinta-feira (13). O amigo que estava junto com ele foi espancado pelos suspeitos e socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Marback. Não há informações sobre o estado de saúde dele.

Mostre mais

Artigos relacionados

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Portal Meacheaki Noticias e Entretenimento. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Close