Saúde

O coronavírus pode infectar a mesma pessoa duas vezes? Ciência responde

Um paciente em Tóquio pegou a doença duas vezes seguidas

Após ter recebido o diagnóstico de Covid-19 no passado mês de fevereiro, e de ter estar internado num hospital em Tóquio até recuperar, um homem japonês de 70 anos ficou curado e voltou à sua vida normal. Contudo, e apenas alguns dias depois começou a ter febre alta. O homem regressou então ao hospital e, para surpresa de todos, foi novamente diagnosticado com o novo coronavírus.

+Itália registra mais de 620 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

+Cientistas criam teste para Covid-19 com resultados em 30 minutos

O caso, reportado pela NHK, empresa pública de comunicação, e divulgado pela BBC News, alertou cientistas de todo o mundo porque, até então, muitos acreditavam que uma pessoa não podia ser infectada com Covid-19 duas vezes. Pelo menos num espaço de tempo tão curto.

Agora, a comunidade científica tenta responder à questão inquietante: quão verdadeira é a possibilidade de que o corpo gere imunidade depois de contrair a doença?

Trata-se de uma nova infecção ou recuperação do mesmo vírus?

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) disse em declarações à BBC News Mundo que “como se trata de um novo vírus, e sobre o qual ainda aprendemos mais todos os dias, no momento, não podemos dizer com certeza absoluta que uma pessoa infectada com o vírus não pode ficar novamente infectada”.

Uma opinião semelhante é defendida pelo virologista espanhol Luis Enjuanes, que afirma existir “uma percentagem de pacientes, de pelo menos 14%, que, após terem testado negativo, retornaram ao positivo”.

Já o Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), a principal instituição de pesquisas científicas de Espanha, disse que esses casos podem estar ligados a uma “recuperação” do vírus, em vez de uma nova infecção.

“A nossa explicação, entre várias possíveis, é que, em geral, esse coronavírus imuniza a população, mas talvez a resposta imune (do corpo) não seja assim tão forte”.

“Então, quando essa resposta imunológica diminui, o vírus, que fica em algum reservatório do corpo, reaparece”, explicaram num comunicado.

É importante saber que existem vírus que permanecem no corpo por três meses ou mais – refere a BBC.

Imunidades diferentes

O cientista espanhol Isidoro Martínez estranhou a velocidade da reinfecção no caso do paciente japonês e de outros.

“O que normalmente acontece é que, sem a imunidade duradoura, dentro de um ou dois anos, em novas epidemias, a pessoa será infectada outra vez. Isso é normal”, disse Martínez à BBC News Mundo.

“Mas é raro uma pessoa ser reinfectada com o mesmo vírus logo após ser curada. Além disso, devemos ter em mente que, até onde sabemos, esse coronavírus não muda tanto quanto o vírus influenza (da gripe)”, acrescenta.

Dessa forma, Martínez inclina-se para uma explicação similar à de Luis Enjuanes. “Possivelmente, o que está a acontecer no caso da covid-19 é que as pessoas que testam positivo depois de um resultado negativo são vítimas de um retorno temporário da infecção, até que seja definitivamente eliminada”, diz.

Ainda assim, o especialista ressalta que até ao momento a comunidade médica e científica ainda sabe pouco sobre o novo coronavírus e que será necessária a realização de mais pesquisas a fundo para entender o seu impacto e propagação a curto, médio e longo prazo.

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Portal Meacheaki Noticias e Entretenimento. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Close