BrasilNotÍcias

MP pede que Ciro seja investigado por injúria racial; ele questiona e xinga promotor

Presidenciável chamou o vereador Fernando Holiday (DEM) de 'capitãozinho do mato'

O Ministério Público de São Paulo pediu ao Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap) – vinculado à Polícia Civil – a instauração de inquérito para averiguar suposto crime de injúria racial, que teria sido cometido pelo presidenciável Ciro Gomes (PDT) contra o vereador Fernando Holiday (DEM), um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL).

Segundo o MP, o pedido foi formulado no dia 12. A Secretaria de Segurança Pública informou, no entanto, que a solicitação ainda não chegou ao Decap e o inquérito não foi aberto. Segundo o site BR18, do Grupo Estado, o MP atendeu a uma representação do advogado Maurício Januzzi, do escritório Januzzi e Carvalho. A pena para o crime de injúria racial é de 1 a 3 anos de prisão mais multa.

Em 18 de junho, Ciro chamou Holiday de “capitãozinho do mato” durante entrevista à Rádio Jovem Pan. “Esse Fernando Holiday aqui é um capitãozinho do mato. Porque a pior coisa que tem é um negro usado, pelo preconceito, para estigmatizar”, afirmou Ciro

A declaração foi dada em uma pergunta sobre uma possível aliança com o DEM nas eleições. Ao citar as diferenças, falou do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, que considerou um golpe, e da atuação de Holiday. Na ocasião, o vereador classificou a fala como racista e anunciou por meio de suas redes sociais que iria processar o pedetista.

À reportagem, Holiday afirmou nesta terça-feira (17), que espera ir até o fim na Justiça sobre o caso, não só por meio da representação do MP, mas também por meio de ação cível, cuja primeira audiência deve ocorrer em agosto. “Espero que ele seja punido em ambas as instâncias”, disse.

Ainda em junho, em outro evento, Ciro respondeu a questionamentos sobre o uso do termo “capitão do mato” – responsáveis, alguns deles negros libertos, por caçar escravos fugidos das fazendas durante a escravidão. Ele citou dois pontos da atuação de Holliday que justificariam sua fala: a iniciativa de acabar com o Dia da Consciência Negra e a apologia pelo fim das cotas. “Capitão do mato, aqui, é uma metáfora segura que eu tenho que ele faz esse papel em pleno século 21.”

Procurada, a assessoria de Ciro não respondeu à reportagem até a publicação desta matéria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao saber que o processo foi aceito, o presidenciável se indignou e xingou o promotor, durante a participação em um evento da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). “Um promotor aqui de São Paulo resolveu me processar por injúria racial. Um filho da puta faz isso e pronto. Ele faz isso e pronto. Ele que cuide de gastar o restinho das atribuições dele, porque se eu for presidente essa mamata vai acabar”, disse o candidato à presidência.

“Eu tenho a minha biografia, eu tenho a minha honratez, e porque viro candidato, o camarada resolve me processar por injúria racial. E se ele me causa um prejuízo político, imagético, eleitoral, quem me indeniza?”, completa.

Fonte: O Estadão Conteúdo

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
%d blogueiros gostam disto: